Quando a curiosidade vira aprendizado: tomei coragem e migrei pro Linux!

O ano é 2010, depois de dez anos vivendo na bolha Windows da Microsoft, graças a uma oportunidade e um colega de trabalho a curiosidade me fez chegar no "mundo" Linux.

CONTEXTUALIZANDO

Quando um usuário comum de Windows pensa ou ouve algo sobre Linux, já sente arrepiar os cabelos e os pêlos dos braços, imagina que tudo o que é feito nas distribuições do pinguim tem, por obrigatoriedade, que ser feito através do terminal (a tela preta com códigos em branco do qual muitos tem medo, mas, não da tela azul com códigos piores, quase indecifráveis rsrs - tela azul da morte no Windows).

Sim, essa era a forma que eu, Madrugueds, pensava quando vivia na bolha. Tinha medo e receio do Linux, mas, ao mesmo tempo, era curioso, queria usar iBook da Apple, montava PCs por hobbie (tinha uns cinco que se juntassem dava um - risos), e por aí vai.


UMA SUGESTÃO DE EXPERIÊNCIA

Quando entrei para trabalhar na produção de uma empresa do ramo de lazer, não me imaginava trabalhando na área de T. I. da empresa, mesmo meu hobbie sendo informática - o famoso micreiro, curtindo ficar em frente da tela de um monitor CRT 4:3 de tubo em casa, me divertindo com meus games e hardwares usados, além de arrumar computador de amigos e conhecidos.

Três anos depois, fui promovido ao setor responsável pela manutenção dos computadores da empresa, sim o T.I.. Meu colega de trabalho, um japonês experto e ligeiro, logo criou um firewall com Ubuntu Server, aproveitando de todo seu conhecimento e da inexperiência com Linux de todos da empresa, inclusive o dono, garantindo assim o seu emprego.


Ao decorrer do tempo de entrosamento, ele me mostrou como funcionava o terminal do Linux e que podia fazer todo tipo de alteração e instalação sem precisar abrir o Google e ir a sites como Baixaki, por exemplo, economizando tempo e estresse.

No início, achei aquilo muito complicado, não dei tanta bola, aí ele me falou que tinha uma versão desktop, com interface gráfica, pra ficar mais fácil de usar como PC comum, foi aí então que conheci o Ubuntu 10.04 LTS.

Achei um barato instalar aplicativos pelo terminal, personalizar os temas de ícones e do GTK, mas, então, conheci os efeitos do Compiz, as telas gelatinosas, janelas transparentes, efeito de cubo ao trocar a área de trabalho e saber que podia jogar e trabalhar ao mesmo tempo, só apertando Ctrl + Alt + setas - risos.


Naquela época, o Linux tinha seus limitadores para um usuário assíduo de Windows, como rodar facilmente aplicativos EXE e compatiblidade com hardware, principalmente AMD, o que me deixou estremamente chateado, pois, havia acabado de comprar um notebook com processador AMD A8-4500M e aproveitava horas jogando Battlefield 3 no Windows.

Esse tempo de luta demorou tanto tempo, que só quando lançou o Ubuntu 14.04 LTS resolvi mudar de vez pro Linux e cair de cabeça no mundo do pinguim, mas, eu não tomei essa decisão sem buscar conhecimento. Na época, conheci o blog e o canal do Diolinux, o canal do pinguim gamer mais famoso naquele ano, o Penguin Recordings, além dos canais Tuxter Games do Junior Freire e The Linux Gamer, me inspirando a criar o meu próprio canal focado em conteúdo gamer para Linux e cair de cabeça na experiência de usuário no pinguim.

E você, já está usando Linux a quanto tempo? Ou o que te falta pra mudar pro pinguim? Comenta aí!

Acesse nosso canal no Telegram, e nos siga no Instagram no @RikerLinux

Postar um comentário

0 Comentários