Como comecei a usar Linux Fedora e porque criei o Blog RikerLinux!



Final de ano chegando, período na qual eu comecei a usar o Fedora, e por isso ocorreu a criação desse blog, e através dessa matéria irei contar pra vocês como foi essa experiência.

Quando mudei de emprego e tive a liberdade de instalar Linux no meu trabalho, recorri ao Ubuntu, que já possuía grandes blogs disseminando conhecimento como o Diolinux por exemplo. Além do mais, a existência da empresa Canonical como mantenedora do sistema, me levou a pensar que se tratando do ambiente corporativo, eu poderia ter maior produtividade e facilidade na customização com essa distribuição. Além de ser minha distribuição Linux até aquele momento.





Assim que instalei o Ubuntu, busquei customizar e deixa-lo o mais pronto possível para otimizar os meus trabalhos na área de Recursos Humanos, planilhas, e-mails, slides, navegador, scanner e impressora, entre outros. Porém logo de início me deparei com problemas para configurar o digitalizador da impressora HP. Eu até conseguia instalar a impressora, porém o scanner não estava funcionando de maneira nenhuma, e as vezes  o serviço de impressão parava de funcionar. Foi então que um suporte Linux foi chamado na empresa para otimizar algumas configurações no setor de T.I, então nesse momento solicitei que ele olhasse a minha questão.


O profissional que me atendeu possuía uma tatuagem no braço escrita #root linux, e me disse que quando precisava usar uma interface gráfica, recorria ao Arch Linux, o que segundo ele era raro pois fazia tudo que precisava pelo terminal.


Após configurar a minha máquina por alguns minutos, ele conseguiu configurar o digitalizador apenas pelo endereço IP através do navegador, e me retornou a resposta, como sendo única forma de resolver a questão.


Isso me deixou perplexo,
🤔🤔🤔 pois eu tive a certeza de que se buscasse mais a fundo na internet, 🧐 conseguiria colocar o digitalizador pra funcionar sem ter que usar o navegador.

Estávamos no ano de 2014, usava o Ubuntu 14.10 na minha máquina (falando nisso que saudades do Unity 😕😕😕) e por ser um usuário novato no Linux, aceitei essa situação durante alguns meses 🤦🏻‍♂️(pois havia conhecido o mesmo a cerca de 2 ou 3 meses).


No recesso de final de ano da empresa de 2014 para 2015, eu viajei para casa de meus parentes em Minas Gerais, com tempo ocioso você começa assistir séries, vídeos no youtube e quem sabe não resolve testar algum sistema Linux também, não é mesmo?


No decorrer dos dias em Minas Gerais resolvi testar o Linux Mint com ambiente Cinnamon, de tão bem falado que ele estava sendo em blogs e vídeos.


Tudo começou bem, um sistema novo, bem customizável, aparentemente caiu bem no meu Notebook Acer Ferrari (a propósito,que saudades dele 😕) Só que após algumas modificações, o sistema quebrou, não inicializando mais de maneira nenhuma. Parecia que tudo tinha chegado ao fim! 🤦🏻‍♂️


Meu tio tinha um computador com Windows que estava lá desligado desde que ele viajara para passar o ano novo no Espírito Santo, e por sorte ele não deixou o mesmo com senha, caso eu quisesse ou precisasse usar, então liguei a máquina, pluguei meu HD externo e  com meu pendrive criei um pendrive bootável do Ubuntu.


Finalmente minha vida estava resolvida, era só instalar o Ubuntu e pronto, poderia desfrutar do Linux normalmente, mas... para minha surpresa... a ISO que estava no meu HD externo estava corrompida (eu mantinha ISO no meu HD caso precisasse de alguma e não tivesse internet para baixar outra, seja onde estivesse).


Estava em uma localidade onde a internet não estava rápida, então baixar outra ISO do Ubuntu estava fora de cogitação, até tentei mas não tive exito.


Por sorte havia baixado uma ISO do Fedora 21 por causa de um vídeo que eu havia assistido no Diolinux a poucos dias, em um momento que a internet estava rápida, por esses motivos acabei resolvendo instalar o Fedora para testar e me salvar naquela situação (Era por volta do dia 27 ao dia 30 de dezembro de 2014).


Na empresa o Ubuntu ainda continuaria como meu sistema principal por alguns meses, mas conforme eu estava me aprofundando mais nos conhecimentos sobre o Fedora em casa, acabei decidindo testar para ver como o sistema se comportaria no trabalho. Minha dúvida número 1 nesse momento era a questão do suporte a impressora HP pro Fedora. E para minha surpresa, funcionou tudo perfeitamente, consegui instalar o scanner e a impressora pelo HPLIP, sem nenhuma dificuldade.





Foi uma surpresa imensurável para mim, pois finalmente eu poderia desfrutar do meu sistema favorito inclusive no meu trabalho. Privilégio que muitos desejam, mas infelizmente por políticas fechadas de muitas empresas, ou até mesmo pela necessidade de uso de alguns softwares que só rodam no Windows, se torna inviável.


Como criei o Blog RikerLinux


Após perceber que  maioria das minhas pesquisas e dúvidas sobre o Fedora, obtinham respostas em sites e blogs de língua inglesa devido a uma enorme carência de materiais aqui no Brasil, e que o Ubuntu possuía uma enorme cobertura, e diversas dicas e fóruns. Nesse momento decidi criar o blog RikerLinux, um blog com intuito principal de levar tutoriais sobre como usar e customizar a sua distribuição Linux Fedora, para que usuários recém chegados no Linux, e que não são oriundos da área de TI, possam encontrar uma facilidade na hora de instalar e usar.


Hoje o blog está aberto a outras distribuições, e possuímos outros colunistas que auxilam para disseminação do Linux.


Essa foi a minha experiência com o Fedora e como criei o blog. Deixe aqui o seu comentário do que achou sobre essa matéria, e até a próxima!








Postar um comentário

4 Comentários

  1. Interessante história. Comigo aconteceu algo parecido. Depois de várias tentativas para instalar o Ubuntu e suas ramificações no notebook STi IS-1451 de meu pai, mas quando terminava a instalação, ficava muito lento, quase travando. Depois que eu resolvi experimentar e testar o Debian com interface LXDE (depois da ultima tentativa e chance de rodar bem o Lubuntu, depois de tentar também Xubuntu), ai deu certo! Funcionou lindamente! Talvez se vc desse uma oportunidade para o pai do Ubuntu, que é o Debian, poderia gostar também.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, já testei o Debian mas não me adaptei muito, sem ser o Fedora, eu gostei do OpenSuse e do Manjaro.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal a sua história que aliás é bem parecida com a minha. Quando criança não tinha muito acesso a computadores, só pude ter acesso quando pude, já depois de trabalhando comprar o meu próprio Windows XP piratinha que pedi pra fazer, pois na loja seria muito caro. Depois fui para o Windows 7 e somente depois do lançamento do 8 que conheci o Linux e comecei a fazer dual boot no sistema. Sempre testando distribuições me identifiquei com o Xubuntu, não por ser o melhor, mas por ter maior suporte da comunidade em língua portuguesa. O meu preferido também é o Fedora, mas por falta de suporte fica complicado usá-lo.

    ResponderExcluir
  4. Entendi Marcelo, depois tente testar o Fedora, aqui no blog temos uma documentação farta que vai ajudá-lo a não ficar sem suporte.

    ResponderExcluir